Espiritualidade

Pio XII e o Apostolado leigo

Sempre houve na Igreja de Cristo um apostolado dos leigos. Santos como o Imperador Henrique II; Estêvão, o criador da Hungria católica; Luís IX de França, eram apóstolos leigos, se bem que, no início, não se tenha sido cônscio disto, e que o termo apóstolo leigo ainda não existisse naquela época. Mulheres também, como Santa Pulquéria, irmã do Imperador Teo­dósio II, ou Mary Ward, eram apóstolos leigos.

Se hoje em dia esta consciência é despertada, e se o termo apostolado leigo é um dos mais empregados quando se fala da atividade da Igreja, é porque a colaboração dos leigos com a hierarquia nunca foi necessária até este ponto, nem praticada de maneira tão sistemática.

Essa colaboração traduz-se em mil formas diversas, desde o sacrifício silencioso oferecido pela salvação das almas, até à boa palavra e ao exemplo que força a estima dos próprios inimigos da Igreja, até à cooperação nas atividades próprias da hierarquia, comunicáveis aos simples fiéis, e até às audácias que se pagam com a vida, mas que só Deus conhece e que não entram em nenhuma estatística. Talvez que este apostolado leigo oculto seja o mais precioso e o mais fecundo de todos.

O apostolado leigo tem, aliás, como qualquer outro apostolado, duas funções: a de conservar e a de conquistar, ambas se impõem com urgência à Igreja atual. E, para o dizermos bem claramente, a Igreja de Cristo não cogita de abandonar sem luta o terreno ao seu inimigo declarado, o comunismo ateu. Este combate será prosseguido até o fim, mas com as armas de Cristo!

Pode-vos embora com uma fé ainda mais forte que a de São Pedro quando, ao chamado de Jesus, largou a sua barca e marchou sobre as águas para ir ao encontro do seu Senhor.

Durante estes anos tão agitados, Maria, a Rainha gloriosa e poderosa do céu, tem feito sentir nas mais diversas regiões da terra a sua assistência de maneira tão tangível e maravilhosa, que lhe recomendamos com confiança, ilimitada todas as formas do apostolado leigo.

Em penhor da força e do amor de Jesus Cristo, que se difundem também no apostolado leigo, concedemos a todos os que aqui vieram, e aos que trabalham no mundo inteiro, a Nossa paternal bênção apostólica(1).

(1) Normas do Sumo Pontífice Pio XII, aos Participantes do II Congresso Mundial para o Apostolado dos Leigos, 5 de outubro, 1957.

Marcel Barboza Administrator
O responsável pelo site é Licenciado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e Especialista (pós-graduado) em Filosofia e Ensino de Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR). Editor e professor.
×
Marcel Barboza Administrator
O responsável pelo site é Licenciado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e Especialista (pós-graduado) em Filosofia e Ensino de Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR). Editor e professor.
Mostrar mais

Marcel Barboza

O responsável pelo site é Licenciado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e Especialista (pós-graduado) em Filosofia e Ensino de Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR). Editor e professor.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo