twitter
  •  

Relatório da viagem ao Uruguay

| Posted in miscelânia |

0

Como prometido, passo a relatar as impressões de minha viagem de duas semanas para o Uruguay, por ocasião do casamento de meu mui caro amigo, sócio e professor Carlos Nougué e Rosa Clara Elena, agora Rosa Nougué. Serei mais sucinto do que gostaria, até porque isso aqui é um blog não um livro.
Saí daqui de Campo Grande (MS), de ônibus, no dia 12 de janeiro deste ano. Primeira parada: Asunción, capital do Paraguay, onde 102% da população toma tereré e fala uma mistura de espanhol com guarani. Daí segui rumo a Montevidéu, tendo que passar antes pela fronteira com a Argentina (onde ficamos quase seis horas, graças às autoridades argentinas que fizeram questão de revistar todas as bagagens). Passamos então novamente por um pedaço do Brasil (em Uruguaiana), depois passamos pela fronteira com o Uruguay e pronto, a grande e bela rodoviária de Montevidéu. PS.: O espanto com a beleza dessa rodoviária tem uma explicação: a rodoviária de minha cidade é certamente, disparada, a rodoviária de capital mais feia, suja, malodorenta… de todo o Brasil.

Desde então passei maravilhosos 10 dias com os fiéis da Tradição neste país. Uma gente muito simpática e hospitaleira. O único padre da Tradição no país é da diocese de Montevidéu e se manteve contra as inovações do concílio e Missa Nova desde o início e foi por isso perseguido e proscrito, como de costume.

Outra coisa que me deixou espantado foi constatar a falta de igrejas e capelas do país mais ateu da América Latina, da capital do Mercosul. Quase não existem igrejas e as que existem estão tomadas por padres e bispos completamente comunistizados. Pena.

O casamento, onde tive a honra de ser padrinho do noivo, foi celebrado na Capilla Nuestra Señora del Carmen, capela da FSPX que está sob a responsabilidade do Pe. Moreno (este sacerdote uruguaio). Foi uma cerimônia curta e belíssima. A Capela estava lotada com amigos, parentes e fiéis da Tradição de toda parte (Argentina, Espanha, Brasil…), até um ex-presidente do Uruguay, que é tradicionalista, se fez presente.

Antes de voltar pro Brasil, tive a graça de conhecer a cidade de Salto, no Uruguay. Cidade onde Padre Pio se bilocou. É um centro de peregrinação de devotos do frade de San Giovanni Rotondo. Uma visita para nunca mais se esquecer.

Voltei então para a Terra de Santa Cruz, aonde sofro de saudades crônicas dos amigos que conquistei, das conversas edificantes, sobretudo do clima alegre e… cristão que lá vivenciei.

Bom, é isso. Se alguém quiser ver fotos da viagem, me peça que eu envio.

Comente