twitter
  •  

Entrevista no Terça Livre

| Posted in miscelânia |

0

É amanhã (terça-feira), às 22h. Em tempos de Dilma, Maduro, Morales et caterva é sempre bom conhecer a história de um estadista de verdade.
Quem não assistir perderá metade da vida. Aproveito para avisar que este blog voltará, de cara nova, a ser atualizado. Aguardem!

entrevista_tercalivre

Allan Dos Santos recebe Marcel Assunção Barboza para falar do Presidente do Equador (1859-1865 e 1869-1875), Garcia Moreno. Ele é notável por seu conservadorismo, por sua luta antimaçónica e por sua rivalidade contra um magnata da época Eloy Alfaro. Sob sua administração, o Equador se tornou o líder nos campos das ciências e alta educação na América Latina. Além disso, Garcia Moreno desenvolveu a economia e a agricultura do país, sendo um ferrenho opositor da corrupção, chegando até a dar o próprio salário para obras de caridade.

Os liberalistas odiavam García Moreno; quando ele foi eleito pela terceira vez em 1875, assinou sua sentença de morte. Ele escreveu imediatamente para o Papa Beato Pio IX pedindo a bênção antes do dia da posse em 30 de agosto:

Eu desejo receber vossa benção antes daquele dia, para que tenha a força e a luz de que tanto preciso para que conseguir até o fim ser um fiel filho de Nosso Redentor, e um leal e obediente servo de Seu Infalível Vigário. Agora, quando as Lojas Maçônicas dos países vizinhos, instigadas pelos alemães, estão vomitando contra mim toda sorte de insultos atrozes e horríveis calúnias, agora quando as Lojas Maçônicas estão secretamente planejando meu assassinato, eu tenho mais do que nunca a necessidade da proteção divina para que possa viver e morrer em defesa de nossa Santa Religião e da amada Respública que uma vez mais sou chamado a governar.

Assista ao vivo na TERÇA~FEIRA, às 22h pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=K3LQlsd9BVE

 

Novidades

| Posted in miscelânia |

0

Após um longo período sem atualizações, informo que muitas novidades estão a caminho.

Dentre elas:

  • Criação de uma nova loja virtual Santo Tomás, totalmente modernizada e com promoções para seu lançamento.
  • Novos textos no blog e no portal da Associação Cultural Santo Tomás.
  • Edição de um livro. Na verdade uma biografia de Gabriel Garcia Moreno, ex-presidente do Equador.

Aguardem.

Prêmio Ueze Zahran – Gente que faz história e recuperação de acervo histórico

| Posted in miscelânia |

1

Hoje foi um dia especial. Com imensa honra fui um dos homenageados com o Prêmio Ueze Zahran – Gente que faz história e recuperação de acervo histórico. O prêmio celebra os dez anos de existência do curso de história da UFMS e tem a finalidade de reconhecer a contribuição de algumas pessoas com o curso e com a universidade. A solenidade foi realizada na manhã desta quarta-feira (17), na antiga reitoria da UFMS.

Santo Tomás de Aquino, ao tratar da gratidão, ensina que essa é uma realidade humana complexa. Mais precisamente, admite três níveis: “A gratidão se compõe de diversos graus. O primeiro consiste em reconhecer (ut recognoscat) o benefício recebido; o segundo, em louvar e dar graças (ut gratias agat); o terceiro, em retribuir (ut retribuat) de acordo com as próprias possibilidades e segundo as circunstâncias mais oportunas de tempo e lugar” (II-II, 107, 2, c).

Afianço aqui meus mais sinceros agradecimentos à pessoa do Prof. Dr. Cezar Benevides que me confiou a disciplina de História Medieval. Tem sido um imenso prazer e grande honra ministrar essas aulas.


Vídeo da palestra do Prof. Nougué sobre Liberalismo

| Posted in miscelânia |

9

Amigos, segue abaixo um vídeo resumido da palestra do Prof. Carlos Nougué, aqui em Campo Grande.

Infelizmente, por problemas técnicos, só dispomos desse vídeo, não pudemos gravar corretamente a palestra do primeiro dia.

 

Fotos da palestra do Prof. Carlos Nougué (25-26/08/2010)

| Posted in miscelânia |

2

Caros, seguem fotos da palestra do Prof. Carlos Nougué. Peço desculpas pelo atraso nessa postagem. Em seguida, postarei o vídeo (dividido em partes) no youtube:

Nosso imenso agradecimento pela ilustre presença de Dom Tomás de Aquino, OSB.
As palestras versaram sobre Reinado Social de Cristo e Liberalismo.

Troca do anjo

| Posted in miscelânia |

0

Tudo bem, sei que heresias e maluquices no meio protestante não são novidade para ninguém. Mas essa, para mim, bateu o recorde. Valha-nos Deus!

Nova edição das Edições Santo Tomás

| Posted in miscelânia |

4

Caros amigos. Informo que estou preparando a edição de uma biografia de Gabriel Garcia Moreno, heróico presidente católico do Equador. Aproveito o espaço para pedir ajuda a quem a possa dar. Caso alguém conheça alguma obra, em português, antiga o suficiente para ter os direitos autorais expirados, faça-me a gentileza de informar. Desde já agradeço.

Se o bom Deus nos permitir, estaremos reeditando aos poucos as obras já esgotas de nossa pequena editora e teremos lançamentos, em breve.

Em tempo: Na próxima semana teremos em estoque novamente, na Loja Virtual, o Catecismo de São Pio X, em novo formato, uma coedição com a Editora Permanência.

Prelados falam sobre o “cisma”

| Posted in miscelânia |

0

Em meio a enxorrada de opiniões desencontradas, desordenadas, desarrazoadas… sobre a Fraternidade São Pio X, vale lembrar alguns prelados e suas posições com relação ao “cisma” da FSSPX.

Cardeal Castillo Lara, Presidente da Pontifícia Comissão para a Interpretação Autêntica do Direito Canônico: “O ato de consagrar um bispo (sem a autorização do Papa) não é em si um ato cismático” (La Reppublica, 7-Oct.-1988)

Conde Neri Capponi, Doutor e Professor de Direito Canônico da Universidade de Florência, explica que o simples feito de consagrar um bispo sem mandato pontifício não constitui em si um ato cismático: “É necessário que se faça outra coisa; por exemplo, se ele criasse sua própria hierarquia, isto sim seria um ato cismático. O feito é que Dom Lefebvre se contentou com dizer: «eu consagro estes bispos para que a Fraternidade Sacerdotal que fundei continue. Eles não tomarão o lugar dos outros bispos. Não quero fazer uma Igreja paralela». Este ato, então, não há sido em si cismático”. (The Latin Mass, maio–junho de 1993).

Cardeal Alfonso Stickler, salesiano, então Prefeito dos Arquivos do Vaticano e da Biblioteca Vaticana, perito em quatro comissões do Vaticano II. Disse: “O Papa João Paulo II, em 1986, formulou duas perguntas a uma comissão de nove Cardeais: 1ª.) «A celebração solene da Missa tridentina foi proibida legalmente pelo Papa Paulo VI ou por qualquer outra autoridade competente?». A resposta dada por oito destes cardeais em 1986 foi que não, a Missa de São Pio V jamais foi supressa. Posso afirmá-lo: eu era um destes cardeais. Um somente foi de parecer contrário. Todos os outros estavam a favor de uma livre permissão: que cada qual possa escolher a antiga Missa. Houve uma outra pergunta muito interessante: Será que um bispo pode impedir qualquer sacerdote que seja, desde que em situação regular, de recomeçar a celebrar a Missa tridentina? Os nove cardeais responderam unanimemente que um bispo não podia impedir um sacerdote católico de celebrar a Missa Tridentina. Nós não temos uma proibição oficial e eu penso que o Papa jamais pronunciaria uma proibição oficial.” (The Latin Mass, 5 de maio de 1995).

Professor Geringer, Licenciado em Direito Canônico pela Universidade de Munique, afirma: “Dom Lefebvre não criou em absoluto um cisma com as consagrações episcopais”.

Cardeal Edward Cassidy, Presidente do Conselho Pontificio para a Unidade dos Cristãos, ante uma pergunta sobre o status da Fraternidade São Pio X escreveu, em 3 de maio de 1994, a seguinte resposta: “Para responder a sua pergunta (25 de março de 1994) quisera antes de tudo assinalar que o Diretório sobre Ecumenismo não concerne a Fraternidade São Pio X. A situação dos membros desta Fraternidade é um assunto interno da Igreja Católica. A Fraternidade não é outra igreja ou comunidade eclesial, no sentido utilizado pelo Diretório. Com efeito, a Missa e os Sacramentos administrados pelos sacerdotes da Fraternidade são válidos. Seus bispos estão ilicitamente, mas validamente consagrados…”.

Então Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, no ano de 1993, ante a tentativa de Dom Ferrario de excomungar em 1991 a alguns fiéis por terem seguido a Fraternidade no Hawaí e terem assistido às suas missas, declarou: “Após examinar o caso sobre a base das leis da Igreja, não aparece que os feitos aos quais se faz alusão no decreto antes citado sejam atos formalmente cismáticos no sentido estrito do termo, porque estes não constituem o delito de cisma; e por isso, esta Congregação julga que o Decreto de 1° de maio de 1991 carece de fundamento e, em conseqüência, de validez”. (Nunciatura Apostólica, Washington DC).

Padre Gerald Murray, da Arquidiocese de Nova York, em junho de 1995 obteve sua Licenciatura em Direito Canônico na Universidade Gregoriana de Roma com uma tese intitulada “O estatuto canônico dos leigos que seguiram ao falecido Arcebispo Marcel Lefebvre e a Fraternidade São Pío X: estão excomungados porque são cismáticos?”. Em uma entrevista declarou: “Obtive a Licenciatura em Direito Canônico e elegi como tema de minha tese doutoral a excomunhão de Dom Lefebvre… Por tanto, que eu saiba, eles não estão excomungados porque sejam cismáticos, porque o Vaticano nunca disse que estiveram… Cheguei a conclusão de que, canonicamente falando, ele (Dom Lefebvre) não é culpável de nenhum ato cismático que recaia sobre o Direito Canônico; ele é culpável de um ato de desobediência ao Papa, mas o realizou de maneira tal que se pode beneficiar com uma cláusula da lei, que lhe permite não estar automaticamente excomungado (latæ sententiæ) por este ato”… “No caso dos sacerdotes e os fiéis da Fraternidade São Pio X, o Vaticano não disse jamais que eles se tenham tornado cismáticos”… “Por tanto, que eu saiba, a Santa Sé não declarou nunca que o simples ato de assistir a uma Missa rezada por um sacerdote da Fraternidade São Pio X constitua um ato cismático… Suponhamos que você sabe que o sacerdote de sua paróquia ensina coisas contrárias a lei moral ou a doutrina católica. Suponhamos que você sabe que nega o inferno ou pensa que os divorciados voltados a “casar” podem receber a Comunhão, pode então você ir a uma capela da Fraternidade São Pio X para receber uma boa doutrina? Isto me parece melhor que escutar sermões francamente heréticos”. (The Latin Mass, 1995).

De volta à vida

| Posted in miscelânia |

0

Por um bom tempo deixei o blog às moscas. Peço desculpas aos amigos pela indesculpável demora. Farei o possível para postar mais daqui a diante.

Ultimamente este blog recebeu uma quantidade imensa de comentários, incluindo spams e ofensas de um ateu maluco (por mais pleonástico que pareça) e de uma ruma de protestantes acéfalos. Não participei destas discussões simplesmente porque estas pessoas não têm a intenção de discutir, somente de descarregar suas mediocridades que escutam de algum pastor qualquer ou lêem nestes textos sem fontes pela internet.

Tudo isso só reforça a trágica realidade em que vivemos, o mundo desfere ininterruptamente golpes contra a Igreja e a inteligência, de maneira que já praticamente não se encontram católicos ou pessoas arrazoadas, a crise é terrível, imensurável. Rezemos pelo mundo que desmorona. 

“Nem todo aquele que me diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos e em teu nome que expulsamos demônios e em teu nome que fizemos muitos milagres? Então, sem rodeios, eu lhes direi: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim vós que praticais a iniqüidade” Mateus 7, 21-23

Raptores e raptadas

| Posted in miscelânia |

0

As idéias do “reformador” sobre o matrimônio nos revelam a podridão moral dele e da sociedade de então em plena decadência e sem freio moral.

Numa atividade furibunda, febril, parecendo ex­citada pelo próprio demônio, Lutero multiplica pasquins dirigidos a todos, seculares e religiosos, homens e mulheres sem exceção. Leram-nos uns por curiosidade, atraídos pelo tom inflamado do estilo e, outros, por perversidade, a fim de com os maus levar avante a infernal Reforma.

Até mesmo nos conventos as doutrinas perversas penetraram.

Lutero considerava a castidade como um milagre, conforme escreveu ao prior de Lichtemberg: “Os votos religiosos, escreve ele, são nulos, pois exigem o impossível. A castidade não está em nosso poder, como não está a faculdade de fazer milagres. O homem não pode vencer a inclinação natural ao casamento. Quem quiser ficar solteiro deve depor o título de homem e provar que é um anjo ou um espírito, pois Deus não concede isto a um homem”.

O pobre prior, que por fraqueza sentia imenso desejo de depor o jugo divino, seguiu o conselho de Lutero e afinal se casou.

Tais doutrinas atraíram certas monjas ou falsas freiras, que haviam abraçado a vida claustral, sem vocação, por interesse ou por desgosto do mundo, achando elas na doutrina do falso frade um meio de se libertarem de um fardo que não podiam suportar, pois haviam abraçado a vida claustral sem vocação, por interesse ou por desgosto.

Havia em Nimbschen, perto de Grimnia, um convento de Cistercienses, onde imprudentemente as superioras haviam admitido moças mundanas, que ali procuravam antes salientar-se do que santificar-se.

Umas dentre elas entraram em entendimento com Lutero, que as aconselhou a deixarem o convento e a se reunirem perto dele afim de se casarem.

O reformador organizou um rapto, que confiou a seu amigo Leonardo Koppe mestre na arte.

Na quarta-feira Santa de 1523, com 16 companheiros, já invadira ele o convento dos “Franciscanos de Torgan”, lançando por cima do muro os religiosos que se haviam oposto e arrancando portas e janelas, porque os Franciscanos não aceitaram a reforma, nem a liberdade proposta.

Koppe, sob as ordens de Lutero, preparou para as monjas de Nimbschen uma fuga dramática.

No Sábado de Aleluia entrou no convento com um carro coberto, cheio de mercadorias, para a provisão das religiosas.

As monjas rebeldes ficaram de sobreaviso e tomaram as suas providências.

Enquanto descarregavam a carga, 12 monjas sorrateiramente ocuparam o caminhão vago, sem que o resto da comunidade desse pela evasão das luteranizadas, que seguiram para Wittemberg, onde foram acolhidas por várias famílias protestantes.

Lutero intitulou Koppe de “Bem-aventurado ladrão” e o comparou ao Cristo que também, tal um vencedor sublime, havia arrancado o seu reino das garras do príncipe do mundo. O pastor Amsdorf ofereceu logo uma das fugitivas em casamento ao vigário apóstata, dizendo como se se tratasse de coisa qualquer: “se quiseres uma mais nova, podes escolher entre as mais belas.” (Kolde Analecta Lutherana, p. 413).

O que nos dizem os contemporâneos sobre a moralidade destas infelizes egressas às quais se havia pregado a inutilidade das boas obras e a irresistibilidade da concupiscência, é realmente doloroso e humilhante. (Leonel Franca: Lutero e o sr. Fr. Hansen).

Melanchton, referindo-se às relações de Lutero com estas infelizes decaídas, deplorava a sua influência amolecedora, por si capaz de baquear os caracteres de mais rija têmpera.

Outro luterano, Eoban Esse, afirmava em 1523 que tais apóstatas não se deixavam vencer, em lascívia, por nenhuma cortesã. (Nulla phyllis nonnis est nostri mam­mosior – Epist. fam. Morpugi p. 87).

Entre as egressas, saídas do convento por influência de Lutero, se achava Catarina de Bora.

“Sem ser uma beldade, diz Grisar, Catarina ambicionava esposar Lutero ou Amsdorf”. Para ilaquear o seu preferido, multiplicou as armadilhas da astúcia feminina.

Pelas referências contemporâneas, os precedentes de Catarina não recomendavam muito sua moralidade.

A 10 de Agosto de 1528, Joaquim de Heyden escrevia à própria Catarina, recriminando-lhe o haver entrado em Wittemberg, como uma bailarina, e de aí ter vivido com Lutero, antes do casamento, como uma miserável decaída. (Enders Vol. VI p. 331).

Em 1523 já estivera em relações amorosas com Jerônimo Baumgastner, que mais tarde (1529) se casou com outra.

No mesmo ano (1523) Cristiano, rei da Dinamar­ca, desterrado, passou em Wittemberg e ai conheceu Catarina, que deste encontro conservou como lembrança significativa o presente de um anel. (Koestlin: Luther I. p. 728).

Eis os predicados de tal “nobre senhora, digna de todo respeito, pelos seus dotes de espírito e de coração”, tal como os protestantes o pretendem.

Vê-se logo, pelos fatos, que Catarina era uma criatura viciada, namoradeira, à cata de casamento, pouco diferindo de uma mulher perdida.

E Lutero se deixou “fisgar” por ela. É a palavra de Melanchton.

Qual teria sido a vida e quais as relações de Lutero e de Catarina, antes do casamento?

Pelo que vimos atrás descrito sobre a sua vida e os excessos praticados em Wittemberg, é difícil conjecturá-lo, se bem que a história não o relate, pois são coisas que não se descrevem e que o pouco de vergonha nele ainda existente o impedia divulgar.

Escrevendo a Ruhel, conselheiro de Mansfeld, o reformador disse: Se puder, a despeito do demônio, ainda hei de casar com Catarina. (De Wette II. p. 655).

Todas as suas liberdades com ela transpareciam em público e davam pasto às murmurações e comentários desfavoráveis. O apóstata resolveu por termo a todos os boatos, pela realidade do fato.

No sermão sobre o matrimônio Lutero havia dito: Do mesmo modo que não está em meu poder deixar de ser homem, assim também não posso viver sem mulher, e isto me é mais preciso que o comer e beber.

Considerando uma necessidade, o reformador quis satisfazê-la, e decidiu tomar por companheira a “sua” Catarina, a ex-monja Cisterciense.